quarta-feira, 25 de maio de 2016

Leitura e escrita na pré-escola

Aos 4 e 5 anos, os pequenos estão cercados por textos e têm muitas ideias sobre a língua escrita.
Mensagens, palavras, frases, textos. Compreender e ser compreendido por meio da escrita. Eis a magia do ler e escrever. Porém, a melhor época para se iniciar no mundo das letras tem sido um tabu ao longo dos anos.
As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil orientam a "articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural". A verdade é que, desde muito novas, elas têm acesso à linguagem escrita em seu dia a dia e, aos 4 e 5 anos, estão em plena fase de investigação desse objeto da cultura, inclusive nos suportes digitais. Exploram o teclado do computador, veem o bilhete à mão preso na geladeira, reconhecem os produtos na prateleira do supermercado, os nomes dos programas na televisão e as placas de sinalização. A escrita está por toda parte. Postergar a interação com ela não é uma boa opção. 
Para favorecer o desenvolvimento dos pequenos, vale a pena ensinar a usar as letras em situações reais de leitura e escrita, propiciar momentos de reflexão sobre elas, conversar sobre suas denominações e promover a relação com palavras e partes de palavras conhecidas, como os nomes de amigos e parentes ou os títulos de histórias.


Fonte: Revista Nova Escola

DICAS QUE PODEM AJUDAR A ORGANIZAR A VIDA DE SEU FILHO

1. O espaço

Prepare um espaço em casa (qualquer cantinho serve!) com objetos, cores e sons adequados, propício para que seu filho vá descobrindo o mundo a sua volta. Ele deve perceber esse mundo, que não deve assustá-lo, e sim atraí-lo! Cuidado com a hiperestimulação. Certos momentos devem ser de contemplação e de relaxamento apenas. A psicanalista Vera Tschiptschin Francisco lembra que assim como os adultos, a criança pequena tem a necessidade de viver momentos de não fazer nada, sem nenhuma atividade, de estar sozinha, apenas "observando" o mundo a sua volta.

2. Os horários

Organize uma rotina que seja possível de seguir e mantenha os horários para as etapas do dia a dia acontecerem regularmente: hora de comer, brincar, tomar banho e dormir. A constância da programação traz segurança à criança, que passará lidar de maneira mais equilibrada ao movimento diário. Entretanto, Vera Tschiptschin Francisco ressalta novamente que cada família pode ajustar suas possibilidades internas e externas para organização dessa rotina. Dá o exemplo do sono da tarde: ele precisa acontecer, porém há pais que estabelecem esse horário e seguem um ritual de levar o bebê para o berço em determinada hora, independente da sua manifestação de cansaço. Outros pais aguardam até que surjam os sinais de sono, antes de colocá-lo para dormir. Não existe uma forma correta. Existe o que funciona para aquela família!

3. As refeições

A alimentação ganha na qualidade com a regularidade do horário e a forma que acontece. É importante com seu filho coma no mesmo lugar e no mesmo horário. Se um dia tem a opção de comer brincando ou sentado no sofá na frente da televisão, não entenderá porque não pode fazer isso todos os dias. Portanto, esse tipo de situação não é recomendável. Reserve essas variações para quando estiverem fora de casa, por exemplo. Caso a rotina seja alterada, é recomendável que se deixe bem claro para a criança o motivo dessa variação naquele dia e se preparar com uma dose extra de paciência para acompanhar os efeitos que essa variação pode causar em seu filho. Mesmo ele seja um bebê, deve-se conversar com ele: "estamos na casa da vovó de noite porque é o aniversário dela!". Por outro lado, cuidado para não exigir da criança um comportamento à mesa que não tem estrutura para aguentar. Se precisar sair da mesa para dar uma voltinha na sala e retornar com mais paciência para o ritual da refeição, não há problema nenhum.

4. O sono

O horário de dormir, o ritual de como adormecer e a quantidade de horas dormidas são fundamentais para um dia seguinte tranquilo. O sono é reparador. O corpo da criança necessita dessas horas para se recuperar de tudo que aconteceu no dia anterior. O ritual de ir para cama deve ser claro para a criança. Deve ser precedido de brincadeiras tranquilas, de uma história contada e de uma música relaxadora. Assim, essa hora não será tão terrível. Mesmo porque, o ritual esclarece para a criança que irá se repetir no dia seguinte (brincadeira calma antes de dormir).
Por vários os motivos inerentes ao nossa vida atribulada, eventualmente, não será possível cumprir o ritual de dormir da criança. Faz parte! Nesses casos, porém, você precisa se munir de uma dose extra de paciência, pois, provavelmente, seu filho demonstrará seu desagrado. Estará no direito dele! Essas situações acabam surgindo como um treino para que seu filho experimente lidar com mudanças e que vá se abrindo para elas.

5. Os cuidados

Cuidar de si e do outro faz parte da rotina das pessoas da casa. Mostre isso a ele! Diga em voz alta: "Vou preparar um banho bem gostoso para você!" ou "Papai vai ler uma história para você dormir!". Conforme seu filho vai crescendo, vá, gradualmente, transferindo para ele algumas responsabilidades. Peça, por exemplo, para que ele mesmo guarde brinquedos e arrume o quarto. Confie na capacidade dele de cuidar dos seus pertences e de si mesmo. Passe a auxiliá-lo no banho, ao invés de fazer tudo por ele. Sonia Madi, também lembra da importância de incentivar a criança a fazer conquistas. "é importante perceber que tipo de apoio ela precisa para ganhar confiança se arriscar a ir além, sem riscos". Dê dicas, acompanhe de longe e faça apenas o que ele não conseguir. Com isso, você o estará preparando para assumir outro papel na sua própria rotina.

6. As escolhas

Aos poucos, vá dando a ele a oportunidade de fazer pequenas escolhas. Se até certo dia, você separava toda a roupa para ele vestir após o banho, chegará a hora de passar para ele a decisão de que camiseta vestir e qual sapato calçar. Esteja preparado porém, para aceitar as escolhas equivocadas. Ele pode escolher usar uma camiseta de manga comprida em pleno dia de verão. Mas, isso faz parte desse aprendizado. Isso dá mais trabalho, mas é fundamental para seu desenvolvimento e para a criança ir se percebendo com sujeito do mundo e consiga incorporar essa nova tarefa à sua rotina com mais naturalidade. Essas pequenas escolhas darão embasamento para que seu filho passe a fazer escolhas maiores na sua rotina: desenhar ou descer para brincar no parquinho.

ROTINA: GARANTIA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Para nós, adultos, rotina muitas vezes é sinônimo de horários rígidos, normas, regras, monotonia e chateação. No entanto, isso não é verdade quando o assunto diz respeito aos bebês e às crianças pequenas. 
Estudos mostram que estabelecer uma rotina traz segurança aos pequenos; além disso,auxilia no desenvolvimento infantil, criando condições para que aprendam mais e melhor, visto que aprendem, também, por meio da repetição. Você pode estar se perguntando: Como estabelecer uma rotina estável e segura para meu filho, se a minha própria rotina é tão agitada? 
É importante estar convencido de que a rotina faz bem e que não há nada de complexo em estabelecê-la. Para isso, será preciso ter paciência, persistência e boa vontade em adaptar alguns horários e costumes. 
A rotina infantil consiste na repetição diária (e no mesmo horário) de alguns procedimentos, com a intenção de evitar a ansiedade e passar segurança à criança, demonstrando-lhe que o seu mundo é um lugar seguro, onde suas necessidades serão supridas. Os principais elementos que compõem a rotina de uma criança de 0 a 3 anos são: alimentação, sono, higiene e muita brincadeira. 
A seguir, estão listadas algumas atitudes simples que poderão auxiliar você a criar uma rotina em casa, considerando esses fatores. 

- Alimentação: a rotina a ser estabelecida com a alimentação do bebê começa quando ele experimenta os novos alimentos (geralmente, após os 6 meses). Nesta fase, a regularidade de horários e da própria alimentação contribui muito para o desenvolvimento infantil. Por isso, é importante determinar um local apropriado para que a alimentação ocorra e conversar com o bebê, contando-lhe o que está acontecendo e o que vai comer. Essas atitudes auxiliarão muito na descoberta de novos gostos, cheiros e na criação de hábitos para uma vida mais saudável. 

- Sono: o sono é uma grande necessidade da criança, pois enquanto dorme, os hormônios do crescimento são liberados. Assim, ela precisa dormir para crescer. Algumas crianças relutam neste momento, ficando muito irritadas. Por isso, é necessário criar alguns hábitos, como: determinar um horário para o sono; oferecer um banho quentinho e aconchegante; colocar uma roupa limpinha; ler uma história; entoar uma canção de ninar (aquela do “seu tempo”), tudo isso acompanhado de muito carinho e cafuné. 

- Higiene: os horários para o banho e troca de fraldas não devem ser rígidos, pois precisam respeitar a necessidade do momento. Mas, lembre-se de que o banho, antes de dormir, é uma prática relaxante, que pode integrar a rotina dos pequenos. 

- Brincadeiras: criar um cantinho especial de brincadeiras em casa e oferecer à criança bastante tempo para brincar irão potencializar a aprendizagem e o desenvolvimento dos pequenos. Com base nessas sugestões, crie uma rotina em sua casa, respeitando os horários e os costumes da família; porém, cuidado para não causar estresse no ambiente familiar, pois o objetivo é garantir tranqüilidade e segurança a todos. Lembre-se de que a rotina faz bem e os pequenos gostam!

Fonte: Editora Positivo